Planejamento – O caixa não deve ser ignorado

Planejamento – O caixa não deve ser ignorado

Sabe-se que para obter sucesso é preciso planejar. Os planos por si só não garantem o êxito, porém por certo, estes mostram mais racionalmente os riscos que se vai incorrer. O planejamento é feito por meio da determinação dos objetivos e das metas para o empreendimento.

Claramente a empresa não atua isolada, ela está imersa em um ambiente e interage com este, portanto novos fatos podem surgir a qualquer momento e à medida que estes fatos surgem precisam ser incorporados no seu planejamento de forma que a empresa possa se adequar a tais situações e aproveitar as oportunidades ou responder as ameaças não previstas inicialmente.

Ao tomar decisões de qualquer nível, os gestores deveriam utilizar-se de informações confiáveis e critérios racionais respeitando-se limites que se não observados podem conduzir a empresa a uma situação financeira indesejada. De maneira geral as decisões financeiras podem ser de três tipos: operacionais, investimento e financiamento.

As decisões operacionais dizem respeito aos pagamentos de despesas operacionais e ao gerenciamento das contas a receber. Já as decisões de investimento comprometem recursos que visam obter um retorno futuro. Por sua vez, as decisões de financiamento referem-se as fontes de recursos que a empresa irá utilizar para se financiar.

Dentre as questões apontadas anteriormente, algumas tem aderência com as metas e objetivos estratégicos, outras abrangem setores ou unidades de negócio da empresa, porém cada uma das decisões acima irá impactar no curto ou longo prazo no caixa da empresa.

É importante que se compreenda que quando se estabelece metas a serem atingidas estas se desdobram em ações que a empresa passa a executar voltadas a atingir seu propósito e que quaisquer que sejam estas decisões, sempre haverá repercussões financeiras.

Sabe-se que uma empresa pode sobreviver um período sem lucro, mas não sem fluxo de caixa, portanto ao realizar o planejamento não se pode ignorar o caixa. Caso as metas e objetivos traçados apontem a insuficiência de caixa, deve-se rever o planejamento avaliando os seguintes pontos:

1. Revisar as políticas operacionais (metas de receita e lucratividade, prazos de pagamento e recebimento, nível de estoques, dentre outros);

2. Reavaliar os projetos prioritários de investimento;

3. Estudar novas fontes de financiamento para a empresa.

É fundamental a compreensão dos conceitos e ferramentas básicas de gestão orçamentária e financeira, a inobservância dos preceitos acima, fatalmente acarretará sérios riscos para a continuidade de qualquer organização que poderá ficar exposta a falta de financiamento para suas atividades.